Trabalhadoras das lavanderias comunitárias de Teresina atuam protegidas com EPIs

Cerca de 200 mulheres que atuam nesses locais estão equipadas com com kits

Todas as trabalhadoras das oito lavanderias comunitárias de Teresina, neste contexto de pandemia, estão trabalhando com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para protegê-las da contaminação pelo novo Coronavírus.  Cerca de 200 mulheres que atuam nesses locais estão equipadas com com kits compostos por protetores faciais face shield, luvas, máscaras, álcool em gel, botas e termômetros de aferição de temperaturas

“O nosso objetivo é fazer com que essas mulheres possam continuar trabalhando, garantindo suas rendas, mas totalmente protegidas por eventuais infecções pelo novo Coronavírus, daí a importância de entregamos, por meio da Semest,  esses Kits de proteção para todas essas mulheres ”, explicou o secretário municipal de Economia Solidária, Ricardo Bandeira, órgão da Prefeitura de Teresina na qual as lavanderias comunitárias estão vinculadas.

De acordo com Socorro Silva, gerente da Lavanderia Comunitária Ininga, os equipamentos são muito úteis durante o trabalho de cada mulher. "Concordo que é incômodo usar alguns EPIs, como a máscara por exemplo, mas precisamos nos conscientizar que é muito pior se encontrar em um leito de hospital", avaliou. O pensamento da gerente é compartilhado por Dona Graça, que trabalha na Lavanderia Comunitária da Vila Nova desde 2002 e reforça a importância da proteção. “É necessário e essencial a gente trabalhar equipada porque evita que sejamos vítimas da Covid-19”, disse.

A dona Francisca Araújo, que trabalha na Lavanderia Comunitária do São Pedro há mais de 15 anos, lembrou que está retornando aos trabalhos agora devido a pandemia e que se sente mais segura trabalhando com os EPIs.  “Temos todos os equipamentos para trabalharmos protegidas. Estes kits de proteção são fundamentais para que a gente continue garantindo o sustento da nossa família e sem o medo de trabalhar e ser contaminada”, destacou.