Operação prende 6 pessoas pelos crimes de homicídio, roubo e estupro

Denominada “Operação Trabalhador”, pelo menos 30 policiais trabalham na captura dos investigados.

Operação integrada da Polícia Civil e Polícia Militar do Piauí prendeu, até às 7h desta quinta-feira (29), seis pessoas envolvidas com crimes de homicídio, estupro e roubo em Teresina. Os presos respondem a mais de um crime e estavam com mandados de prisão em aberto. Denominada “Operação Trabalhador”, pelo menos 30 policiais trabalham na captura dos investigados. 

O coordenador da Força Tarefa da Secretaria Estadual de Segurança, major Audivam Nunes, informou que por determinação do secretário estadual de Segurança, coronel Rubens Pereira, uma série de operações serão realizadas nos próximos dias “para dar uma resposta aos crimes que estão acontecendo”. 

Ontem (28), o secretário Rubens Pereira reuniu a cúpula das Forças de Segurança Pública para discutir ações integradas para reprimir a criminalidade após uma “onda de homicídios” em Teresina. 

“Hoje nós já prendemos seis indivíduos e agora estamos fazendo todos os procedimentos, tirando de circulação esses indivíduos nocivos e agora apresenta-los todos à Central de Flagrantes”, diz o major Audivam. 


O delegado Willame Moraes, coordenador da Delegacia de Divisão de Capturas (Dicap), acrescenta que um dos indivíduos preso por roubo qualificado já respondeu pelo crime de homicídio. O preso foi identificado como Marcelo. 

“Ele foi preso pelo crime de roubo qualificado. Todavia, quando a gente foi pesquisar a vida pregressa dele, no ano de 2015-2016, ele matou uma pessoa em uma boca de fumo, esfaqueou, levou até um matagal, fez uma cova, na companhia de um menor de idade, e enterrou”. Após uns três dias, a vítima foi localizada na cova. 

O delegado, em entrevista, disse que o Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) identificou a autoria desse homicídio e ocultação de cadáver: tanto o maior de idade (preso nesta quinta) como o adolescente. “Eles confessaram a autoria, disseram as circunstâncias em que ocorreram, o local que ocorreu, como enterraram, mas no ano passado, apesar dessas circunstancia que estou comentando, ele foi pronunciado com absolvição. O magistrado disse que não havia indícios suficientes de autoria tampouco de materialidade”.

“Agora, ele está preso por outro delito. Esperamos que essa decisão posteriormente seja confirmada em ação condenatória e, pelo menos por esse crime de roubo, que é um crime menos grave comparado ao homicídio, responda por esses fatos criminosos”.

Willame Moraes participou da reunião com o secretário de Segurança, que “convocou as duas polícias (Civil e Militar) para intensificar os seus trabalhos, cada uma na sua área no combate à violência na nossa capital”.