HUP realiza procedimento cardíaco inédito

Esse procedimento foi realizado em uma idosa, de 84 anos.

O Hospital Unimed Primavera (HUP) realizou essa semana um procedimento inédito nos hospitais dos recursos próprios do Sistema Unimed Teresina. Trata-se do primeiro caso de aterectomia rotacional com angioplastia coronariana e stent farmacológico guiado por ultrassom intracoronariano. Esse procedimento foi realizado em uma idosa, de 84 anos, hipertensa, com histórico de contaminação com o vírus Sars-CoV-2 e com doença grave nas artérias coronarianas.

Foto: DivulgaçãoEquipe da hemodinâmica do HUP realizando  aterectomia rotacional
Equipe da hemodinâmica do HUP realizando aterectomia rotacional

  De acordo com o médico hemodinamicista, Dr. Mauro Guimarães, por a paciente ser idosa e com histórico de Covid-19, o procedimento se tornou ainda mais complexo. “Durante a investigação descobrimos, apesar da paciente apresentar poucos sintomas, que ela tinha uma artéria totalmente obstruída e outra com obstrução grave e extremamente calcificada. Eram quatro lesões gravíssimas e calcificadas desde o começo até o segmento médio da artéria. Esse tipo de lesão, com tais características, em paciente jovem pode ser tratado através de cirurgia de revascularização miocárdica (as famosas pontes de safena ou mamária), porém em pacientes idosos esse procedimento tem um risco elevadíssimo, sendo quase proibitivo”, explicou.

Dr. Mauro disse ainda que a calcificação é inimiga de quem trabalha na hemodinâmica, pois dificulta a passagem de vários materiais, dentre eles os balões e os stents que são utilizados para dilatar, abrir e tratar essas obstruções coronarianas. “Quando a artéria apresenta calcificações, o caso se torna extremamente desafiador. O cálcio funciona como uma barreira, um muro de concreto impedindo a passagem do stent, que vai tratar definitivamente a artéria. Para esse tipo de obstrução, a aterectomia rotacional é um dos métodos mais indicado para o tratamento”, destacou.

Procedimento realizado com sucesso

Por ser um procedimento difícil e com a necessidade de um material não disponível no Piauí, a equipe da hemodinâmica do HUP estabilizou a paciente e solicitou os materiais em questão ao Sistema Unimed Teresina para realizar a aterectomia rotacional.

“Esse aparelho tem uma oliva na ponta com micro partículas de diamantes incrustadas. Ele consegue rotacionar a uma velocidade de 140 a 180 mil rpm e, com isso, romper a barreira de cálcio da artéria sem machucar a parte mole. Foi o que fizemos com essa paciente idosa. Conseguimos tirar uma boa parte do cálcio, passar o balão, dilatar a artéria e, assim, implantar os stents farmacológicos. O procedimento foi um sucesso e a paciente já está de alta e recuperada”, comemorou Dr. Mauro.

Fizeram parte da equipe que realizou o procedimento os médicos hemodinamicistas Dr. Mauro Guimarães, Dr. Antenor Portela e Dr. Miguel Azevedo, dois enfermeiros hemodinamicistas, anestesista, técnicos de enfermagem e de radiologia do HUP.