Como governadores do NE conseguiram comprar vacina mais barata

Eles agiram rápido, ainda no ano passado, para reservar as doses.

Governadores do Nordeste conseguiram comprar 37 milhões de doses da vacina russa Sputnik e pagar bem menos que o governo federal. Eles agiram rápido, ainda no ano passado, para reservar as doses.

Por isso, a mesma vacina para o Consórcio Nordeste saiu US$ 9,95 por dose, contra os US$ 13 pagos pelo Ministério da Saúde – que demorou para fazer o pedido e também só conseguiu garantir 10 milhões de doses do imunizante russo.

Mesmo sem ter autorização da legislação brasileira, na época – para compras que não passassem pelo Ministério da Saúde – o então presidente do Consórcio Nordeste, o governador Rui Costa, assinou em 2020 o memorando de compra para 50 milhões de doses.

Por sorte, este ano a legislação mudou com a decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal e a sanção da lei que agora permite a compra descentralizada, pelos estados.

“Na verdade, o que tem de vantagem é o fato de termos feito esse contrato de opção de compra”, disse em entrevista à CNN Brasil o governador do Piauí, Wellington Dias, que faz parte do bloco.

Vacinas para todo o Brasil

E, a exemplo da Coronavac – comprada com antecedência pelo governo de São Paulo – as doses da Sputnik V, compradas pelo Consórcio Nordeste, também serão distribuídas para todo o Brasil, ou seja, vão fazer parte do Plano Nacional de Imunização.

O governo federal foi informado oficialmente da compra em reunião dos governadores do Nordeste, na última sexta, 12, com então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello – que, após ser fritado neste final de semana, será trocado pelo médico Marcelo Queiroga nesta terça, 16.

No dia seguinte o governador do Piauí, Wellington Dias, atual presidente do Consórcio Nordeste, anunciou nas redes sociais a compra das 37 milhões de doses do imunizante russo.

“Nós comunicamos ao ministro Pazuello o fechamento de um contrato firme para 37 milhões de vacinas Sputnik entre o Consórcio Nordeste e o Fundo Soberano Russo. Também tratamos com a equipe do Ministério da Saúde os termos para mantermos um regramento para que haja vacina para todo o Brasil”, afirmou o governador.

Anvisa

A vacina russa é produzida pelo laboratório União Química, no Distrito Federal.

Até agora, ela não tem o registro emergencial, nem definitivo, da Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, para ser utilizada no Brasil.

Nesta segunda, 15, a Rússia fechou acordo com companhias de Itália, Espanha, França e Alemanha”, acordos para a produção da Sputnik V, enquanto aguarda a homologação na União Europeia.

Chegada das doses

Os governadores do Nordeste devem assinar até esta quarta-feira o contrato final para aquisição das 37 milhões de doses da vacina Sputnik V.

A expectativa é de que os lotes das vacinas russas cheguem ao Brasil entre abril e julho, em quantidades escalonadas. O primeiro lote seria de 1,9 milhão de doses, em abril.

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do Só Notícia Boa – com informações do Correio Braziliense, CartaCapital e OGlobo